Dr. Walter Minicucci, Médico Endocrinologista

Dr. Walter Minicucci

Médico Endocrinologista - CRM 20820


Presidente do Departamento de Diabetes da SBEM (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia) – 2015-2016;

Especialista em Endocrinologia pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia;

Membro titular da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM);

Membro da Associação Brasileira de Estudos sobre Obesidade (ABESO);

Membro da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD);

Mestre em Medicina pela UNICAMP;

Doutorando de Clinica Medica da Faculdade de Medicina da Unicamp;

Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes (2006-2007) e (2010-2011);

Editor chefe da revista da Sociedade Brasileira de Diabetes (2007);

Presidente da Sociedade Brasileira de Diabetes (2014-2015).


Áreas de Atuação: Diabetes tipo 1, Diabetes tipo 2, Obesidade, Distúrbios de crescimento, Doenças da Glândula Tireóide, Investigação de Hipoglicemia, Tecnologias em Diabetes.

Dra. Cínthia Minatel Riguetto

Dra. Cínthia Minatel Riguetto


Graduação em Medicina pela Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp);

Especialista em Clínica Médica pela Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp);

Especialista em Endocrinologia e Metabologia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP);

Especialização em Diabetologia - Università Degli Studi di Pisa - Itália;

Mestranda em Clínica Médica - Câncer de Tireóide - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP);

Membro Titular da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia;

Membro da Sociedade Brasileira de Diabetes.


Áreas de Atuação: Endocrinologia Adulto e Pediátrica, Diabetes tipo 1 e tipo 2, Doenças da Glândula Tireóide, Doenças Ósseas, Distúrbios das Glândulas Adrenais e Hipófise, Distúrbios de Crescimento e da Puberdade, Obesidade, Alterações nos níveis de Colesterol e Triglicérides.

Dra. Paula Maria de Pascali

Dra. Paula Maria de Pascali


Enfermeira graduada pela Faculdade de Enfermagem da santa Casa de Misericórdia de São Paulo;

Pós Graduação em enfermagem pediátrica. Educadora em Diabetes com foco em Bomba de Infusão de insulina;

Vice coordenadora do Departamento de enfermagem da Sociedade Brasileira de Diabetes (2013-2015);

Coordenadora do Departamento de enfermagem da Sociedade Brasileira de Diabetes (2007-2011).


Áreas de Atuação: Diabetes tipo1, Diabetes tipo2, terapia de bomba de infusão de insulina.

Maria Caroline de Azevedo e Souza Netto

Maria Caroline de Azevedo e Souza Netto

Nutricionista - CRN 10376


Professora de Pós-graduação Nutrição Clínica - UNICAMP;

Doutoranda em Clínica Médica Transplante Renal - UNICAMP;

Mestrado em Saúde da Criança e do Adolescente Faculdade de Ciências Médicas - UNICAMP;

Programa de Aprimoramento em Saúde, Nutrição e Alimentação;

Enfoque Multiprofissional da Universidade Federal de São Paulo;

Escola Paulista de Medicina no Setor de Nefrologia Pediátrica - UNIFESP;

Bacharel em Nutrição Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC.


Áreas de Atuação: Diabetes tipo 1, Diabetes tipo 2, Obesidade adulto e infantil, Doenças Renais e Transplante.

Fale Conosco

Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida

Av. José Bonifácio, 1901 - Jardim das Paineiras - Campinas - SP,13092-305,Brasil

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

O que você procura?

Insulina Humana

A insulina humana (NPH e Regular) utilizada no tratamento de diabetes atualmente é desenvolvida em laboratório, a partir da tecnologia de DNA recombinante. A insulina chamada de ‘regular’ é idêntica à humana na sua estrutura. Já a NPH é associada a duas substâncias (protamina e o zinco) que promovem um efeito mais prolongado.

Análogo de Insulina

Um análogo de insulina é uma forma alterada de insulina, diferente de qualquer que ocorrem na natureza, mas ainda está disponível para o corpo humano para executar a mesma acção de insulina humana em termos de controle glicêmico.

Canetas Descartáveis

As canetas descartáveis, já vem carregadas com insulina e ao terminar seu uso são dispensadas e pega-se uma nova caneta, dispensa portanto a troca de refis, tornando o uso ainda mais simples.

Canetas Reutilizáveis

As canetas podem ser reutilizáveis, e que se compra o refil de 3 mL de insulina para se carregar na caneta. Neste caso é importante observar que as canetas são específicas para cada fabricante de refil.