Obesidade e Perda Urinária

Segundo o Ministério da Saúde, 13% da população brasileira é obesa (12,4% dos homens e 13,6% das mulheres). Nos Estados Unidos, 50% das mulheres têm sobrepeso com Índice de Massa Corpórea (IMC) maior que 25 Kg/m2 ou são obesas (IMC > 30kg/m2).  A prevalência da obesidade nesse país tem aumentado 6% ao ano, provocando gastos que chegam a 100 bilhões de dólares anuais.

A perda urinária afeta 50% das mulheres acima dos 40 anos e causa constrangimento e desconforto. Assim, muitos pacientes podem apresentar problemas no convívio social: vergonha, depressão e isolamento.

Inúmeros estudos demonstram a associação entre altos índices de massa corpórea e incontinência urinária. A incidência de perda urinária aumente cerca de 10% para cada 1 Kg/m2 de  aumento no IMC. Esta associação entre aumento de peso e perda urinária é verificada em todos os tipos de incontinência, ou seja: incontinência por esforço (quando a pessoa tosse, espirra ou faz algum esforço), urgeincontinência (perda de urina após desejo inadiável de urinar), mista (combinação das duas anteriores) e bexiga hiperativa (idas frequentes ao banheiro, urgência e incontinência).

Por isso, uma das formas de evitar o problema é o controle da obesidade. A perda de peso diminui drasticamente os índices de incontinência, passando de 61% para 12% em mulheres que estabilizaram seu peso 2 a 5 anos após cirurgia bariátrica.

Além disso, manter uma alimentação saudável e o peso adequado pode evitar muitas outras doenças, e contribui também para sua qualidade de vida como um todo. Mesmo assim, lembre-se: ao perceber algum indício de incontinência procure seu médico.

Dr. Aguinaldo César Nardi
Urologista
Presidente Eleito da Sociedade Brasileira de Urologia

Fale Conosco

Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida

Av. José Bonifácio, 1901 - Jardim das Paineiras - Campinas - SP,13092-305,Brasil

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

O que você procura?

Insulina Humana

A insulina humana (NPH e Regular) utilizada no tratamento de diabetes atualmente é desenvolvida em laboratório, a partir da tecnologia de DNA recombinante. A insulina chamada de ‘regular’ é idêntica à humana na sua estrutura. Já a NPH é associada a duas substâncias (protamina e o zinco) que promovem um efeito mais prolongado.

Análogo de Insulina

Um análogo de insulina é uma forma alterada de insulina, diferente de qualquer que ocorrem na natureza, mas ainda está disponível para o corpo humano para executar a mesma acção de insulina humana em termos de controle glicêmico.

Canetas Descartáveis

As canetas descartáveis, já vem carregadas com insulina e ao terminar seu uso são dispensadas e pega-se uma nova caneta, dispensa portanto a troca de refis, tornando o uso ainda mais simples.

Canetas Reutilizáveis

As canetas podem ser reutilizáveis, e que se compra o refil de 3 mL de insulina para se carregar na caneta. Neste caso é importante observar que as canetas são específicas para cada fabricante de refil.