Cuide da cintura para cuidar do coração

Para diminuir a chance de sofrer um infarto, não basta brigar com a balança, isto é, perder peso. É preciso perder alguns centímetros da circunferência abdominal.

Veja na tabela abaixo a distribuição na população e como a circunferência abdominal aumentada acentua a sua chance de problemas cardíacos

Mas o que tem a ver "uma certa gordura" empurrando o umbigo  e o nosso coração? Primeiro, é um achado estatístico de pesquisas em populações mundiais, com reprodução dos resultados em praticamente todas as raças, ambientes e hábitos.

Algumas pesquisas apontam a relação da cintura aumentada com um certo grau de inflamação nas artérias, que é mantido ou acelerado, por substâncias produzidas em grandes quantidades na gordura que fica entre as vísceras, na cavidade abdominal. São chamadas, algumas delas, de interleucinas, e são muito importantes em nossas atividades de defesa contra infecções e tumores. Essas substâncias circulam pelo sangue e podem atuar em todos os tecidos do corpo humano.

Nas artérias, que levam o sangue para os órgãos, como cérebro e coração, seu nível alto acelera o processo de envelhecimento do vaso e acentua os efeitos do colesterol como provocador de infarto. Uma das formas de medir essa inflamação no sangue é dosar a proteína C-Reativa (PCR). Sabe-se que a circunferência abdominal aumentada está relacionada a maiores níveis de PCR, e maiores níveis de PCR aumentam a chance de infarto.

Uma das maneiras mais eficientes de diminuir a circunferência abdominal é através da dieta e do exercício. Consulte seu médico, peça para ele medir sua circunferência abdominal e inicie já a redução!

Dr. José Roberto Matos Souza
Cardiologista da UNICAMP  e da Clínica LOEMA - Medicina e Bem-Estar.
Pesquisador do LIMED - Laboratório de Investigação em Metabolismo e Diabetes da UNICAMP.

Fale Conosco

Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida
Entrada Inválida

Av. José Bonifácio, 1901 - Jardim das Paineiras - Campinas - SP,13092-305,Brasil

(19)3295-0392 e 3295-2088

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

O que você procura?

Insulina Humana

A insulina humana (NPH e Regular) utilizada no tratamento de diabetes atualmente é desenvolvida em laboratório, a partir da tecnologia de DNA recombinante. A insulina chamada de ‘regular’ é idêntica à humana na sua estrutura. Já a NPH é associada a duas substâncias (protamina e o zinco) que promovem um efeito mais prolongado.

Análogo de Insulina

Um análogo de insulina é uma forma alterada de insulina, diferente de qualquer que ocorrem na natureza, mas ainda está disponível para o corpo humano para executar a mesma acção de insulina humana em termos de controle glicêmico.

Canetas Descartáveis

As canetas descartáveis, já vem carregadas com insulina e ao terminar seu uso são dispensadas e pega-se uma nova caneta, dispensa portanto a troca de refis, tornando o uso ainda mais simples.

Canetas Reutilizáveis

As canetas podem ser reutilizáveis, e que se compra o refil de 3 mL de insulina para se carregar na caneta. Neste caso é importante observar que as canetas são específicas para cada fabricante de refil.