Nutrição

Normas de Controle Alimentar

Estas regras de alimentação são importantes para ajudá-lo a controlar-se, comer mais devagar e ter noção de como, quando e quanto está comendo.
Elas lhe ajudarão não só a perder peso, como principalmente “a manter o peso sem voltar a ganhar”.

Grupos de alimentos

São os que dão gás ao organismo, desde energia para você levantar o braço e acenar para alguém, até correr milhas e milhas. Fazem parte deste grupo os carboidratos, presentes nos pães, massas, arroz, batatas, entre outros. 

Tem a função de produzir os tecidos que estão em constante renovação como o cabelo, a pele, as unhas, os músculos, etc. Os construtores também produzem anticorpos, transportam oxigênio e nutrientes para o sangue, regulam o equilíbrio da água, ou seja, servem para muitas coisas. Os principais são as proteínas encontradas nas carnes, aves, peixes, ovos, leite e derivados, nozes, feijão, soja, ervilhas, etc.

São os que ajudam a processar as proteínas, os carboidrato e as gorduras. Entram aqui os minerais (cálcio e ferro, por exemplo) e as vitaminas que são divididas em dois grupos:
* as solúveis em água – a vit.C e as oito vitaminas do grupo B, que precisam ser consumidas diariamente, uma vez que o corpo não consegue estocá-las;
* as solúveis em gorduras – vit. A,D,E, e K, de que o organismo tem um verdadeiro arsenal.
Cada uma destas vitaminas é encontrada num grupo específico de alimentos, que em uma dieta equilibrada, pode-se obter todas elas nas quantidades necessárias.

Bom Senso: Equilíbrio significa fazer um balanço do que você precisa e do que gosta de comer.

Comer bem

O ato alimentar envolve todo o nutricional e biológico que se sabe, mas também um lado social e histórico muito importante. Comer envolve atitudes ligadas aos usos, costumes, às condutas e situações, e foi esta, aliás, a origem da socialização. Neste sentido, o que se come é tão importante quanto quando se come, onde se come, como se come e com quem se come. É este cruzamento entre historia, ciência, gastronomia, e ainda o social, o político, o tecnológico e o econômico, o objeto de estudo da História e Cultura da Alimentação.

Os hábitos alimentares refletem e acompanham a evolução social. Através do alimento (fonte de informações preciosas), podemos identificar uma sociedade, uma cultura, uma religião, um estilo de vida, uma classe social, um acontecimento ou mesmo uma época. Desta forma, o estudo desta relação “meio x sociedade x hábitos alimentares”, tendo o passado como espelho, contribui de maneira substancial para que possam surgir respostas a inúmeros questionamentos e propostas que solucionem males da atualidade. Ou seja, neste domínio a História oferece não apenas a compreensão de hábitos do passado, mas o esclarecimento de alguns males contemporâneos, como a obesidade, por exemplo.

Ao observarmos a cozinha do mundo atual, torna-se nítida a influência da evolução social na alimentação humana. Vivemos hoje a era da cozinha compartimentada e individualista, onde o gosto que prevalece (se é que ele existe) é pasteurizado e homogêneo, sem graça. As maiores expressões simbólicas desta cozinha e desta época são o hambúrguer e a coca cola. A verdade é que não apenas a cozinha, mas o mundo viveu um processo de McDonaldização, e isto nada mais é que o resultado das transformações trazidas pela globalização e pelo ritmo de vida moderno.